A confirmação na noite da quarta-feira 20 de que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, decolaria no dia seguinte rumo a São Paulo e depois seguiria para Manaus, no Amazonas, sem data específica para voltar para Brasília, foi entendida como a senha de que, a despeito dos erros e de todo o caos dos últimos dias na condução da pandemia da Covid-19, o general estava mantido, ainda que temporariamente, no cargo. Pesou a favor de Pazuello a avaliação de que demiti-lo agora seria admitir o fracasso de todo o governo na condução da pandemia.

 
Entre auxiliares do presidente, a avaliação é que a melhor hipótese é atravessar a tormenta com o atual ministro e ganhar tempo para fazer mudanças no futuro. Na equação, a disputa na Câmara de Deputados. Bolsonaro quer eleger o deputado Arthur Lira (PP-AL) como sucessor do atual presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mas foi alertado de que a abertura do posto agora poderia rachar o grupo na disputa por espaço e, consequentemente, atirar a vitória para Baleia Rossi (MDB-SP).

A pessoas próximas, o ministro tem demonstrado contrariedade com os ataques externos e internos que vem sofrendo. O militar passou a relatar sinais de cansaço com a função, embora dissesse que não tem a intenção de deixar o cargo. Governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, aliado de Bolsonaro, saiu em defesa de Pazuello.

“Querem debitar tudo isso da conta do ministro, e não é justo. Estados e municípios têm suas responsabilidades. Tudo que o GDF pediu, foi atendido”, disse.

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que faz oposição ao presidente, também tratou de tirar o peso da responsabilidade do ministro da Saúde. “Essa crise não é do Pazuello, é do Jair Bolsonaro. O erro do Pazuello é se submeter às visões delirantes do presidente”, criticou.

A sequência de colapso na saúde pública na capital amazonense, com mortes causadas por falta de oxigênio, fracasso na importação de vacinas da Índia, início da imunização em São Paulo como palanque do governador João Doria (PSDB) e as desastrosas declarações à imprensa fizeram integrantes do governo debater a permanência do militar à frente da Saúde. Parte da cúpula do Planalto chegou a defender que era necessário entregar a cabeça de Pazuello para tentar estancar o desgaste do presidente Jair Bolsonaro, que viu sua popularidade cair à medida que o governo não conseguia dar explicações nem apontar soluções para a desordem na Saúde.