Uma mulher, de 43 anos, registrou uma queixa de abuso sexual contra o pastor de sua Igreja, Assembleia de Deus Belém, Eder Wilson dos Santos, de 54 anos, localizada a rua Redentor, em Nova Andradina. 

No boletim de ocorrência que o Jornal da Nova teve acesso, a vítima relata que ela é membra da Igreja e seu marido faz parte do ministério na função de presbítero, e desde 2014, ela vem passando por situações constrangedoras com o vice-presidente da Igreja, o pastor Eder.

O suspeito, segundo a mulher, em várias ocasiões vêm aproveitando-se, utilizando-se de gestos abusivos, sempre com abraços simples, que iam se prolongando para abraços mais longos, de contato frente a frente e beijos seguidos e prolongados na face, sempre falando da palavra de Deus para conseguir os contatos físicos. Em alguns momentos a vítima tinha que se esquivar para que o pastor não a beijasse na boca. 

 

Ela ficava constrangida em contar a situação para o marido na época, e continuaram frequentando a igreja, até que no dia 2 de dezembro do ano passado, a mulher estacionou o carro na rua lateral da igreja, quando o pastor estacionou na frente dela e a chamou, pediu para que ela o acompanhasse até o templo para tratar de um projeto de doações.

 

A vítima foi até a Igreja com o intuito de gravar um áudio do assédio. O pastor levou ela para conhecer a sala de música e o seu escritório reformado, ocasião em que pegou um álcool gel e passou nas mãos dela, em seguida deu um abraço e com suspiros dizia: "Gostoso, gostoso. Faz tempo que não recebia um abraço da minha irmã. Quem não gosta de carinho?" 

 

No mesmo momento do abraço, o suspeito a segurou pelas bochechas, queixo e com as mãos beijou os seus olhos, um seguido do outro, e tentou beijar sua boca, mas a vítima se esquivou e o beijo pegou na parte superior dos lábios dela.

 

Com muita insistência o pastor ainda disse rindo: "Me perdoa, a gente fica animado, né? Eu me extrapolei, me empolguei. Desculpa aí, a carne é fraca". Ele não deixava ela ir embora, e de tempos em tempos queria dar mais abraços. Com muita dificuldade a mulher conseguiu sair e representou criminalmente contra o homem.

 

O marido da vítima fez denúncia aos membros da diretoria da Igreja, mas nas reuniões nada foi avançado e arquivaram o caso sem investigar, sem se quer os membros da diretoria ter em mãos as provas, diante de todo acontecido, restou procurar a DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) para denunciar o caso.

O Inquérito Policial foi instaurado no último dia (5) e agora testemunhas e envolvidos serão ouvidos na Delegacia da Mulher.

 

O Jornal da Nova também apurou que há outros casos suspeitos envolvendo o pastor Eder, com irmãs de outras igrejas que fazem parte da Igreja Sede. Esses outros casos não foram levados para serem investigados, mas parte do conselho da Igreja já tem conhecimento dos fatos.

 

Outro lado
A reportagem em contato com o presidente da Igreja Assembleia de Deus Belém, pastor Wilson José, de 83 anos, que administra há mais de 45 anos, o mesmo disse que não há nenhuma crime dentro da igreja envolvendo os pastor Eder, que é seu filho. Disse ainda que abraços e beijos não são atos sexuais.

 

Pastor Wilson classificou os fatos como um ato de “safadeza” do casal em querer acusar alguém que apenas abraçou uma irmã.

 

Questionado se ele passou a mão na cabeça do pastor por ser seu filho ele foi enfático: “Não aliso ninguém da minha família, se tiver que ser punido será, mas nesse caso não há provas”, disse pastor Wilson José, ressaltando que um de seus filhos já até foi punido por atos não condizentes com a fé cristã.

 

O Jornal da Nova também tentou contato com o pastor Eder, mas as ligações não foram atendidas. O espaço está aberto para que ele possa dar suas declarações quanto ao caso.