O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse nesta terça-feira (16), durante entrevista ao programa O Povo Na TV, que os servidores estaduais que receberam o auxílio emergencial poderão ser exonerados, caso seja comprovada a fraude após o processo administrativo no qual serão submetidos.

Levantamento feito pela Controladoria-Geral da União (CGU) com a Controladoria-Geral do Estado (CGE) revelou que 1.126 servidores públicos ativos e inativos em Mato Grosso do Sul receberam o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal. 259 desses servidores poderão responder o processo administrativo e judicial, por falsidade ideológica, já que fizeram o cadastro no Ministério da Cidadania declarando não ter vínculo empregatício, aposentadoria ou pensão.

“Primeiro quero ressaltar o trabalho da controladoria. Agora, temos que fazer a fiscalização e punição daquele que usou erroneamente esse auxílio. A controladoria juntamente com a secretaria onde esse servidor está lotado, abrirão o processo administrativo para a punição e devolução do dinheiro”, disse.

Ao ser questionado se o servidor poderá ser exonerado, Reinaldo disse que isso não está descartado. “Tudo é possível, você tem um processo administrativo, com direito a ampla defesa. Cabe uma apuração com amplo rigor para que, se confirmada a fraude, punir aquele que fraudou”, concluiu.