Mulher de 52 anos procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), na tarde deste domingo (11), para denunciar o sequestro do marido de 36 anos. Segundo a esposa, os bandidos pediram R$ 10 mil para libertá-lo. 

Conforme boletim de ocorrência, a mulher contou que o seu marido, morador de Campo Grande, é caminhoneiro e tem caminhão próprio. Na quinta-feira (8), ele recebeu proposta de frete de uma empresa de tintas com sede em Balneário Piçarras, Santa Catarina, e aceitou.

O pedido era para transportar 28 toneladas de tintas, dez toneladas seriam entregues numa fazenda em Mundo Novo, outras 18 toneladas seriam trazidas para a Capital. Ainda de acordo com a mulher, o último contato que teve com o marido foi ontem de manhã, às 8h46, quando ele disse que havia feito o carregamento e pegaria a estrada para fazer as entregas.

Depois disso, ela não teve mais contato e o rastreador do caminhão indicava que a última localização dele havia sido próximo à cidade de Mundo Novo. Nesta manhã, às 8h07, ao entrar em contato com o celular da empresa de tintas, recebeu a informação de que o seu marido tinha sido sequestrado e só seria liberado após pagamento de R$ 10 mil, via Pix. 

A mulher, então, manteve diálogo com o sequestrador e disse que não tinha condições de fazer o pagamento de um valor tão alto no fim de semana. Ela contou que recebeu vários insultos e pressões psicológicas. Os bandidos chegaram a enviar, por fotos, pertences do seu marido como corrente e relógio.

Segundo a mulher, depois de implorar muito pela vida do esposo, o sequestrador informou que havia o liberado no Estado de Santa Catarina, porém até então ela não tinha notícias dele. O caso foi registrado como extorsão mediante sequestro.