O pré-candidato do PSD ao Governo de Mato Grosso do Sul, Marquinhos Trad, terá como uma das principais metas de governo a revisão da alta carga tributária e garantia de justiça social. Ele pretende levar ao Governo do Estado uma marca que acompanha sua trajetória como secretário, vereador, deputado estadual e prefeito.

“Aprendi a fazer política com meu pai, deputado federal Nelson Trad, que sempre teve como missão ajudar as pessoas menos favorecidas. Comecei este trabalho com regularizações fundiárias e redução das favelas na Capital quando fui secretário, no início da minha vida pública. Continuei este trabalho como vereador e deputado, onde fiquei marcado pelo combate a concessionária de energia, que possibilitou a devolução de R$ 191 milhões ao contribuinte e redução da conta de luz. Apresentei projeto para aumento do desconto e maior parcelamento do IPVA, sempre priorizando a mudança de vida da nossa gente”, recordou.

Na avaliação de Marquinhos, falta atitude do Governo do Estado, por exemplo, na luta contra a concessionária de energia. “Por que não colocam o dedo nesta ferida? Vamos enfrentar a Energisa, assim como fiz com a Enersul no passado, para diminuir a conta de luz do sul-mato-grossense. Já deveria ter a força do Governo do Estado nesta causa, com a mesma garra, sendo o mesmo leão de quando cobra imposto da gente. Infelizmente, para defender o povo é um gatinho”, criticou.

Marquinhos fará revisão dos impostos que hoje sacrifica o contribuinte e prejudica o empresário, que não consegue investir, impedindo a geração de emprego. “Aumentaram tudo. ICMS, IPVA, ITCD, Fundersul, taxas de cartório. Sacrificou o contribuinte, ignorando a crise econômica e pandemia, que já dificultavam a vida de todos. Em Campo Grande, fizemos o contrário: lutamos com a concessionária de água para acabar com a tarifa mínima na conta de água, não aumentamos impostos e congelamos IPTU para reduzir as dificuldades do contribuinte com a crise provocada pela pandemia. O governo deve ajudar a população para que o Estado cresça. Hoje, com aumento de impostos, o próprio governo impede o crescimento do nosso Estado”, lamentou.