Polícia Civil de Ivinhema prendeu em flagrante A.C., de 35 anos, após este ceifar a vida de um casal de 25 anos e 23 anos na noite desta quarta-feira, dia 06/07/22. A.C. trafegava pela BR 376 em alta velocidade, quando começou a colidir com diversos veículos no caminho. Após colidir com ao menos 5 veículos diferentes, o caminhoneiro finalmente colidiu com uma motocicleta, matando duas pessoas, e somente parou após tombar seu caminhão que levava soja.

 

Conforme apurou o Site, o caminhoneiro trafegava na via, após as 18h, com um veículo bi-trem de nove eixos e um total de 25,5 metros, violando assim a resolução 211 do CONTRAN que regulamenta o tema. Inicialmente, A.C. afirmou não estar sob efeito de drogas ou álcool, realizando etilômetro e constatando-se 0,0 mg/l.

 

Chamou a atenção da equipe policial civil o fato de A.C. ter convulsionado durante o atendimento padrão no hospital após o acidente, visto que estava sem qualquer tipo de lesão que pudesse causar o sintoma. Questionado, A.C. negou ter qualquer histórico de convulsões.

 

Entretanto em checagem no sistema, foi constatado que A.C. já sofreu de convulsões do mesmo tipo uma vez no ano de 2017 e outras duas vezes no ano de 2020, sendo internado em hospitais. Tal fato levou os investigadores a concluir que A.C. possui quadro de epilepsia ou outro causador de convulsões frequentes, e omitiu o fato da equipe visando se evadir da responsabilização.

 

Este cenário levou a equipe policial civil a concluir que A.C. tinha plena consciência de que não poderia exercer a atividade de motorista de caminhão, e omitiu tal fato da equipe médica e dos policiais, visando evitar responsabilização. Tal fato, aliado ao de que A.C. colidiu com diversos veículos na via em um longo trecho e ainda assim não parou, bem como trafegava com um veículo de grande porte de forma irregular ao horário, de acordo com o CONTRAN, levaram a Delegada de Polícia plantonista a autuar o motorista em flagrante pelo crime de homicídio, na forma dolosa, em que se assume o risco de praticar o crime.

 

Foram ouvidas 4 testemunhas do fato, todas relatando que durante os inúmeros acidentes, A.C. invadiu a pista contrária. Ainda assim, o suspeito nega os fatos.

 

O motorista permanece no hospital sob escolta da Polícia Militar e será submetido à audiência de custódia.