Formigamento ou perda de sensibilidade nos pés, dores, queimação que chega até as pernas, sensação de agulhadas. Se você sente esse entre outros sintomas que podem piorar à noite, ao deitar, fique de olho na sua glicemia. O pé diabético é uma série de alterações que podem ocorrer nos pés de pessoas com diabetes fora do controle. Além disso, a doença pode causar infecções ou problemas circulatórios nos membros inferiores, provocando o surgimento de feridas que não cicatrizam e infecções nos pés que, se não forem tratadas, podem levar à amputação.

Quem fala desse assunto é o especialista em pés e tornozelos, o ortopedista Caio Augustus. De acordo com ele, quando o paciente tem diabetes, o simples acúmulo de açúcar na corrente sanguínea prejudica os nervos e o pé é uma das regiões mais afetadas, inclusive tendo a sensibilidade diminuída. “Muitos pacientes só se dão conta da lesão depois de um tempo e pode ser tarde demais. Em muitos casos há a necessidade de amputar o pé por conta de uma úlcera, uma ferida que não cicatriza.”

Caso semelhante aconteceu com o paciente Leandro Luz, que chegou até o consultório com um machucado no dedão do pé direito e foi por conta desse ferimento que surgiu em um calo, que ele descobriu a diabetes tipo 2. “Hoje estou fazendo tratamento e a glicemia está controlada. Fiz uma cirurgia e ainda estou em processo de cicatrização”, afirmou. Segundo ele, a primeira medida após o diagnóstico foi a mudança nutricional. “Tudo muda muito, principalmente em cuidar melhor da saúde”, afirmou.

Em casos extremos, ocorre até mesmo a necessidade de amputação do membro atingido, devido a dificuldade de cicatrização proporcionada pela diabete.

Uma dica importante do médico é que os pacientes que já foram diagnosticados com diabetes, usem sempre meias brancas porque se tiver algum corte, ele vai perceber. Outra coisa é usar calçados especiais, sem costura por dentro, macios, sem pontos de pressão.

Charcot

Por conta da neuropatia da diabetes severa, Maristela Mariano Martins, 56 anos, desenvolveu a doença de Charcot. Mas a história começou aos 43 anos quando foi diagnosticada com a diabetes, hereditária, segundo ela. “Ah se eu soubesse antes como era isso, teria me cuidado muito mais”, desabafou.

Após quatro anos tratando a diabetes, Maristela precisou de atendimento específico e descobriu que o seu pé estava quebrado em oito partes. “Eu não tinha sensibilidade no pé e não podia saber”, explicou. Foram oito meses de recuperação, em uma cadeira de rodas. Foram oito pinos e duas placas grandes implantadas no pé.

Foi dessa forma que ela chegou ao diagnóstico do chamado pé de charcot, uma complicação grave causada pelo diabetes e consiste em uma deformidade nos ossos e articulações associadas a perda de sensibilidade protetora e a traumas repetitivos. “É uma doença degenerativa né, não tem cura, só controle”, explicou a paciente.

Ela reclama que atualmente, o único calçado que consegue usar é o tênis e mesmo assim, com muito cuidado inclusive na escolha da meia. “Para uma mulher é difícil viver assim”, lamentou.

Apesar de toda essa situação, Maristela garante que tem levado bem a vida. “Eu me cuido e com isso vamos seguindo”, pontuou.


Jornalista Vivianne Nunes

Paciente de pé diabético e charcot passou por procedimento e narra dia-a-dia (foto: arquivo pessoal)