Em carta enviada ao ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), o epidemiologista Cesar Victora recusou, nesta sexta-feira (5), a condecoração da Ordem Nacional do Mérito Científico.

O chefe do Executivo condecorou médicos e parlamentares na quinta-feira. Após críticas de sua base eleitoral, voltou atrás e retirou a honraria para dois profissionais: Adele Benzaken, diretora da Fiocruz Amazônia, e Marcus Lacerda, pesquisador da Fiocruz. Os outros nomes, como Victora, foram mantidos.

O recuo do chefe do Executivo ocorreu por causa das críticas feitas por sua base eleitoral principalmente em relação ao nome de Lacerda, autor de um estudo que demonstrou a ineficácia da cloroquina no tratamento contra a Covid-19.

O episódio gerou reação e Victora recusou a condecoração de grão-cruz, em carta enviada ao ministro Marcos Pontes. “Tal atitude somente reforça minha decisão de não aceitar a distinção a mim oferecida”, diz.

O médico relata que a condecoração feita por Bolsonaro lhe deixou dividido. “A homenagem oferecida por um governo federal que não apenas ignora, mas ativamente boicota as recomendações da epidemiologia e da saúde coletiva, não me parece pertinente”, conta.

“Mais ainda, enquanto cientista não consigo compactuar com a forma pela qual o negacionismo em geral, as perseguições a colegas cientistas e em especial os recentes cortes nos orçamentos federais para a ciência têm sido utilizados como ferramentas para retroceder os importantes progressos alcançados pela comunidade científica brasileira nas últimas décadas”, complementa.

A carta de Victora foi divulgada pela Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), da qual faz parte.