Em comemoração ao Dia da Mulher Rural, celebrado nesta sexta-feira, 15 de outubro, a Atvos, empresa de bioenergia, ressalta a importância de programas que buscam ampliar a participação feminina no agronegócio. Hoje, as mulheres respondem por 15% do quadro de colaboradores da companhia, percentual acima dos 9,2% do setor sucroenergético*, e para a safra 2023/2024, a expectativa é chegar aos 26%.

Eyla Marques Dias, 39 anos, colaboradora da Unidade Costa Rica, em Mato Grosso do Sul, é um exemplo que representa o protagonismo feminino na Atvos. Começou sua carreira na área de controle de qualidade e, há seis meses, assumiu a liderança da equipe de tratores, um setor com histórico predominantemente masculino. “Em geral, as pessoas não acreditam que nós, mulheres, temos capacidade de realizar o mesmo trabalho que os homens. Mas, com o tempo, vamos quebrando esse paradigma e mostrando toda a nossa qualidade e potencial”, comenta.

Empatia, facilidade de se colocar no lugar do outro e uma dose extra de paciência para resolver problemas são alguns dos diferenciais que as mulheres têm de vantagem para atuar em um setor em que os homens ainda estão em maioria, acredita Eyla. “Não posso negar que atuar no segmento sucroenergético continua sendo bastante desafiador, mas nunca me faltaram oportunidades internas para desempenhar o meu trabalho. E, graças aos meus líderes e colegas que sempre acreditaram em mim, hoje ocupo uma posição de liderança na empresa”, comemora.

A Atvos atua em linha com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 5, da Organização das Nações Unidas (ONU), para ampliar iniciativas voltadas para equidade de gênero e geração de mais e novas oportunidades para mulheres. Recentemente, a empresa fez um mapeamento interno para identificar 60 mulheres como potenciais para cargos de liderança. As colaboradoras vêm passando por treinamentos específicos e recebendo mentoria ao longo de 2021 para que em breve possam ocupar suas novas funções em posições estratégicas.

“Sabemos que, embora tenhamos uma porcentagem acima da média do setor, ainda não é um número satisfatório. Mas estamos buscando mudar esse cenário e dar visibilidade à atuação feminina no campo, promovendo cada vez mais a equidade de gênero. Valorizamos a contribuição das mulheres em toda a cadeia sucroenergética e continuaremos com os nossos programas de inclusão e capacitação para que elas possam crescer profissionalmente, contribuindo, assim, com a renda familiar e, consequentemente, com o desenvolvimento da comunidade onde estão inseridas”, explica Silvana Sacramento, diretora de Pessoas da Atvos, que aderiu, em 2019, aos Princípios do Empoderamento Feminino da ONU Mulheres.

* Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)


Sobre a Atvos
A Atvos é uma empresa de bioenergia, sendo a segunda maior produtora de etanol do país. A partir da cana-de-açúcar, a companhia tem capacidade para produzir 3 bilhões de litros de etanol, que podem movimentar 60 milhões de carros compactos; 700 mil toneladas de açúcar VHP, capaz de adoçar 20 milhões de festas de aniversário; além de cogerar 3,1 mil GWh de energia elétrica a partir de biomassa, suficiente para abastecer uma população de 15 milhões de pessoas. Possui mais de 9 mil integrantes nos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo, onde estão localizadas suas nove unidades agroindustriais.
Como um player relevante na geração de energia renovável e limpa, a empresa emitiu mais de 2,4 milhões de créditos de descarbonização (CBIOs) por meio do programa Renovabio na safra 2020/21, tornando-se uma das maiores emissoras de títulos do mercado. Ainda pela frente socioambiental, conta com o Energia Social, que apoia projetos voltados para temas como educação, cultura, saúde, segurança, meio ambiente e atividades produtivas. A iniciativa tem como objetivo fomentar o desenvolvimento socioeconômico e promover melhoria na qualidade de vida das comunidades onde a companhia atua. Mais informações: www.atvos.com.