Após uma semana de forte pressão sobre a Petrobras em relação aos preços dos combustíveis, o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna,  afirmou, em entrevista ao GLOBO, que se o preço da gasolina for represado, o país vai ter desabastecimento.

Segundo ele, não há espaço para uma política artificial de preços pois a importação responde por cerca de 30% da gasolina e do diesel no país.

Nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), cobraram valores menores para gasolina, diesel e gás de cozinha.

De acordo com o executivo, o papel da Petrobras não é executar políticas públicas. A principal contribuição da estatal, segundo ele, é dada pelo recolhimento de tributos e dividendos à União. E, com base nestes recursos, o governo tem os instrumentos para decidir como empregar os recursos.

Ele ressalta que a Petrobras é responsável apenas por uma fração do preço cobrado nas bombas. E atribui a uma tempestade perfeita, causada por fatores como pandemia e crise hídrica, a disparada nos preços.

Veja quais são, segundo Silva e Luna, os próximos passos do plano de subsídio ao gás, que vai destinar inicialmente R$ 300 milhões para a compra do botijão por famílias de baixa renda.