O secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, confirmou nesta segunda-feira (6) que Mato Grosso do Sul já tem casos confirmados de Covid-19 provocados pela variante delta do coronavírus. Segundo ele, dois casos confirmados são em Campo Grande, um homem de 22 anos e uma mulher de 51 anos e 1 em Ladário, uma mulher de 52 anos.
Resende destacou que Mato Grosso do Sul irá redobrar as ações sanitárias que já estão sendo realizadas com a cooperação dos prefeitos e secretários municipais de Saúde dos 79 municípios do Estado.
“Como a confirmação veio de amostras coletadas no mês de julho, mostra que a variante já está circulando em Mato Grosso do Sul e graças as ações sanitárias vigentes no Estado não teve impacto profundo no número de casos novos do Estado”, disse.
Na quarta-feira o secretário vai se reunir com os prefeitos e secretários municipais de Saúde, juntamente com Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul) e Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), para tratar das estratégias a serem tomadas.
“Vamos solicitar aos municípios um empenho para que seja aplicada pelo menos a primeira dose em quem ainda não tomou e aplicar a segunda dose naqueles que precisam completar o esquema vacinal. Para tal, vamos encurtar o prazo para aplicação da D2 da Pfizer para 21 dias”, disse.

As amostras são do monitoramento de rotina feita pelo Central de Saúde Pública (Lacen/MS) como parte das ações de vigilância genômica. As amostras foram coletadas em 23 e 27 de julho deste ano e encaminhadas ao laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Amazonas.
Pacientes infectados com a variante delta têm o dobro de chance de serem hospitalizados em comparação com aqueles que foram infectados pela alfa, que se originou no Reino Unido. Esse é o resultado da análise feita com o sequenciamento genético das amostras de 43 mil pacientes britânicos com a Covid-19, com artigo publicado no dia 27 de agosto pela revista "The Lancet".

Além disso, a pesquisa também apontou que há um risco 1,5 maior de atendimento de emergência para pessoas infectadas com a variante delta em comparação com a alfa. A delta tem, portanto, uma chance mais alta de causar a sobrecarga dos sistemas de saúde, principalmente quando atinge pessoas não vacinadas e grupos vulneráveis.