Gilmar Afonso Conofe, vigilante assassinado na manhã desta quinta-feira, 19, foi assassinado por engano, conforme informação repassada por fonte fidedigna ao CONJECTURAS. Conhecendo bem a história, essa fonte relata que o irmão gêmeos de Gilmar, Gilberto Conofe seria o alvo dos pistoleiros, mas Gilmar Afonso Conofe, de 36 anos, foi morto pois estava usando a moto do irmão, ameaçado de morte depois de ser acusado de envolvimento em duplo homicídio na cidade de Pedro Juan Caballero.

Ele teria sido confundido pelos pistoleiros.

A fonte relata que Gilmar, além de servidor municipal, também trabalhava em uma empresa de segurança para reforçar o orçamento familiar. Ele tem uma filha de cinco anos de idade, e conforme a fonte ouvida pelo CONJECTURAS, não tem envolvimento algum com ilícitos.

“Ele era um cara trabalhador, vivia para a família, para a filha, sempre batalhando para dar o melhor para sua família”, relata a fonte.

Gilmar emprestou a moto do irmão para deslocar-se até o centro da cidade.

Seguido, foi executado sumariamente na esquina das ruas Guia Lopes com Antonio João, no semáforo da prefeitura de Ponta Porã.

A fonte afirma que o verdadeiro alvo dos pistoleiros seria Gilberto, que seria ligado a um tal “Paulista”, que atua no submundo do crime em Pedro Juan Caballero.