Com a meta de ser neutro em carbono até 2050 e até 2030 reduzir em 50% as emissões domésticas, Roberto Alvo, CEO da Latam Airlines, se propõe a melhorar e buscar eficiências em sua operação, para o que considera utilizar combustíveis alternativos como a cana-de-açúcar.

Alvo indicou que tanto no Chile quanto no Brasil esses combustíveis alternativos podem ser gerados. No Brasil, é com biocombustível principalmente a partir de resíduos da cana-de-açúcar. “No Brasil, a quantidade de resíduos da cana-de-açúcar é suficiente para abastecer todo o setor aéreo nacional. Hoje existem plantas pequenas, mas ainda é uma fase muito embrionária ”, disse Alvo ao DFMas.

No Chile, o CEO explicou que existe a alternativa do hidrogênio verde, seja com energia solar ou eólica. “Em Punta Arenas, no Chile, existe um pequeno projeto que estamos olhando, que é a geração de uma espécie de petróleo que pode ser posteriormente refinado, e também há os projetos anunciados pelo Ministério de Energia, que são mais ambiciosos, mas que será no final da década. Vamos ter que usar combustível sintético para aviação, seja industrial ou biológico, nos próximos anos ou não, não vamos cumprir nossa meta de 50% ”, disse Alvo à mesma mídia.

Alvo acredita que o processo de reestruturação do Capítulo 11, com todas as dificuldades que acarreta, também deu a eles a oportunidade de focar em como querem que a Latam seja. “Se você acha que o papel de uma empresa está estruturado apenas na condução de seus negócios, você está errado. A sociedade vai exigir mais dele do que seu papel básico e original. Para que a sociedade te valorize e te aceite, tens que ter mais um compromisso com o meio em que estás ”, garantiu Alvo. (Latam consegue adiar a apresentação de seu plano de reorganização).

É assim que a companhia aérea prevê um plano de sustentabilidade com quatro pilares. “Mudanças climáticas: as companhias aéreas emitem CO2, o mundo precisa de nós para resolver esse problema, temos que reduzir nossas emissões e o planeta não liga para a pandemia, isso é agora; em segundo lugar, a economia circular, ou seja, a nossa atividade não só emite CO2, mas também resíduos, utiliza muitos elementos que vão parar em aterros próximos das cidades. Terceiro, conecte e transporte aproveitando o apoio às comunidades e países onde estamos. E o quarto é um sistema de auditoria e gestão que permite medir, mostrar e demonstrar esse novo plano que estamos fazendo ”, comentou Alvo ao mesmo meio.