Desde a hora que se noticiou o crime de latrocínio do policial militar da reserva remunerada Jonas Rufino da Silva, de 54 anos, morador de Nova Andradina, ocorrido no sítio localizado no Assentamento Aldeia 2, município de Bataguassu. Frentes policiais saíram em diligências para ajudar na recuperação da caminhonete levada pelos criminosos e descobrir a autoria do crime.

A equipe da SIG (Seção de Investigações Gerais) da Delegacia de Polícia Civil de Nova Andradina, sob coordenação do delegado da SIG Guilherme Scucuglia Cezar recuperou, em Paranavaí (PR), a caminhonete da vítima, bem como prender dois suspeitos de cometerem o crime.

A ação teve apoio dos policiais civis daquela cidade paranaense. O Jornal da Nova apurou, que os dois presos, Cosme Santos da Silva e Clailton Silva Santos, são moradores de Nova Casa Verde, distrito de Nova Andradina e já confessaram o crime.

Como a Delegacia de Polícia Civil de Bataguassu que investiga o caso, os presos e o veículo serão encaminhados para àquela unidade policial.

Com a informação que um Gol de cor vermelha teria sido usado na prática criminosa, uma equipe da SIG de Nova Andradina saiu em diligências e localizou no Assentamento Teijin o veículo e dentro, duas espingardas, uma delas utilizada para matar o policial. A outra espingarda pertencia a vítima.

Os envolvidos foram encaminhados para Delegacia de Polícia de Bataguassu, onde foi realizada a prisão em flagrante de ambos, sendo representada pela prisão preventiva para que se mantenham custodiados.

 

Como chegaram até a vítima
O site apurou que o “Cosme Vaqueiro”, como é conhecido na região de Casa Verde, esteve morando nas proximidades do sítio de Jonas Rufino e conhecia a rotina da vítima, sabia que tinha a caminhonete e poderia ter mais objetos de valor. A reportagem também apurou que o suspeito possui vários perfis nas redes sociais, tanto que, no perfil do policial no Facebook, "Cosme Vaqueiro" está como amigo incomum em duas contas.

Ele e o comparsa utilizaram o Gol para o cometimento do crime, que foi visualizado pelos moradores do Assentamento Aldeia 2 acompanhando a caminhonete no momento da fuga.

A maioria dos roubos de veículos são encaminhados e vendidos no Paraguai ou na região de fronteira, mas como eles não tinham contato e nem planos, foram por meio de informações de um desconhecido, de que, em Paranavaí (PR), poderiam vender o veículo, foi o que fizeram, mas o plano frustrou.

 

Quando ao celular da vítima, foi abandonado dentro do próprio sítio, sendo localizado posteriormente.

 

O chamado latrocínio é uma forma qualificada do crime de roubo, com aumento de pena, quando a violência empregada resulta em morte. A pena prevista é de 20 a 30 anos de reclusão e multa. O latrocínio é considerado como crime hediondo segundo a Lei 8.072/90.

Foto Cenario MS