O Cosems-MS (Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Mato Grosso do Sul) encaminhou ofício ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, para enviar o lote com 3 milhões de doses da vacina contra covid da Janssen ao Estado. O objetivo é vacinar toda a população do Estado em 5 dias a fim de promover um estudo pioneiro a nível mundial.

A justificativa é de que essa 1ª remessa que virá ao Brasil deve ser aplicado até 27 de junho e Mato Grosso do Sul é o 1º do país em vacinação tanto da 1ª quanto da 2ª dose. Além disso, o documento relata a situação crítica que MS vive, com falta de leitos e aumento exponencial de casos desde janeiro.

Dessa forma, o presidente do conselho, Rogério Leite, pontua que seria interessante a realização de um estudo em que um estado inteiro seja imunizado. "O Mato Grosso do Sul é um Estado pequeno, com baixa densidade demográfica, e que no momento possui uma taxa de infecção elevada para que o efeito da vacinação possa ser avaliado mais rapidamente, e possui condições de realizar a pesquisa", destaca o documento.

Além disso, o Cosems garantiu que as perdas da vacina serão mínimas. "Temos uma ótima logística e um grande desempenho na aplicação das vacinas que é demostrada pelo percentual de 96,67 das vacinas recebida aplicadas o que nos qualifica para assumirmos o compromisso em receber, distribuir e aplicar essas vacinas em 5 dias", concluiu.

Vacinas Janssen
Lote com 3 milhões da vacina da Janssen deve chegar ao Brasil na próxima semana, mas tem validade para o dia 27 de junho. Como o imunizante é importado, o país terá de 10 a 14 dias para receber, distribuir e aplicar todas as doses.

O Brasil firmou um acordo com a Janssen de receber um total de 38 milhões de doses com entregas no 3º e no 4º trimestre. A vacina requer a aplicação só de uma dose, ao contrário da maioria das vacinas aplicadas atualmente contra a Covid, que exigem duas doses.

De acordo com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), a vacina contra Covid-19 da Janssen possui eficácia de 85% na prevenção de casos graves da doença. Além disso, a efetividade também foi comprovada em voluntários com 60 anos ou mais

O estudo foi desenvolvido pela farmacêutica Janssen, da Johnson & Johnson. Houve parceria entre os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (National Institutes of Health – NIH), por meio da CoVPN (Rede de Prevenção a Covid-19 do NIH).

Com uma dose apenas, a eficácia de 85% em casos graves da Covid-19 foi comprovada em todos os públicos que participaram da pesquisa. Foram mais de 44.325 voluntários nos Estados Unidos, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru e África do Sul.

Então, com os resultados, a Fiocruz ressaltou que uma dose da vacina Janssen “oferece proteção completa contra hospitalizações e morte por Covid-19”.

Além disso, em 12 de março foram divulgados dados do laboratório farmacêutico que a vacina da Janssen possui eficácia contra a variante brasileira. São 87% de efetividade contra formas graves da cepa.

O Brasil deve receber na próxima semana 3 milhões de doses da vacina da Johnson & Johnson. No entanto, os imunizantes possuem validade até 27 de junho.

Sendo assim, o país teria cerca de 14 dias apenas para receber, distribuir e aplicar as doses. Lembrando que, as ampolas podem ser mantidas em temperaturas entre 2ºC e 8ºC.

Assim, MS tenta aprovação de Conselhos Estaduais para conseguir vacinar toda a população. Por fim, o Estado pretende fazer um estudo sobre a eficácia do imunizante em cenários críticos da doença.